No governo Bolsonaro, militares poderão acumular até R$ 59 mil mensais de salário, sem falar nas boquinhas para os filhos

Da Redação Vi o Mundo

O salário do filho do vice-presidente, general Hamilton Mourão, Antonio Hamilton Rossell Mourão, que é funcionário de carreira do Banco do Brasil, saltou de 12 para 36 mil reais brutos mensais depois que ele foi escolhido assessor especial do presidente do banco estatal, Rubem Novaes.

Isabela Oassé de Moraes Ancora Braga Netto, filha do ministro da Casa Civil, general Braga Netto, ganharia 13 mil reais mensais em cargo de livre nomeação na Agência Nacional de Saúde. Ela desistiu do cargo público depois que o assunto veio à tona.

A filha do ministro da Saúde, general Eduardo Pazuello, ganhou cargo no governo municipal do Rio de Janeiro. Stephanie dos Santos Pazuello descolou vaga em uma estatal, a Rio Saúde. O salário é de R$ 10 mil mensais.

Ao mesmo tempo que em se tornaram pilares de um governo que desmonta o Estado brasileiro, os militares são suspeitos de cavar “boquinhas” para parentes em cargos públicos.

De acordo com o Tribunal de Contas da União, o número de militares em cargos do governo federal saltou de 2.765, em 2018, para 6.157, em 2020, no governo Bolsonaro.

Acabar com as “boquinhas” do PT foi uma dos motes da campanha de Jair Bolsonaro ao Planalto.

Oficiais das Forças Armadas comandam 10 dos 23 ministérios.

Em março, o general Luiz Eduardo Ramos, ministro da Secretaria de Governo, recebeu R$ 51.026,06 e o almirante Bento Albuquerque, das Minas e Energia, embolsou R$ 50.756,51. O major-brigadeiro Ary Soares Mesquita, secretário de Assuntos de Defesa e Segurança Nacional, teve salário de R$ 40.992,66 naquele mês.

Apesar do congelamento dos reajustes dos servidores públicos civis, adotado com apoio do ministro da Economia Paulo Guedes e do Congresso, como medida para enfrentar a crise econômica causada pela pandemia de coronavírus, os militares foram poupados.

Em julho, com impacto de R$ 1,3 bilhão no Orçamento federal, entrou em vigor o reajuste de 73% das bonificações concedidas aos militares que fizerem cursos ao longo da carreira — que também beneficia militares da reserva.

Bolsonaro concedeu dois outros benefícios aos militares: o adicional de “disponibilidade militar” pode fazer o salário crescer em até 41%.

Além disso, para os militares que passarem da ativa para a reserva, a ajuda de custo dobrou.

Em tese, militares de alta patente a serviço do governo poderiam ser alcançados pela lei do teto salarial.

Mas, recentemente, a Advocacia Geral da União (AGU) do governo Bolsonaro emitiu um parecer segundo o qual o teto não será considerado com a soma dos salários.

Portanto, se o parecer for adotado, o oficial poderá acumular R$ 20 mil das Forças Armadas e outros R$ 39,2 mil do Executivo, embolsando a bagatela de R$ 59,2 mil mensais.

Related Articles