Lute como um cidadão do mundo!

Na manhã desta terça-feira os deputados da Argentina aprovaram a reforma da previdência por 128 votos a favor e 116 contrários. Para obter maioria o presidente Mauricio Macri contou inclusive com votos de peronistas, cujo Partido Justicialista não possui um claro direcionamento político, congregando desde setores de esquerda a setores de direita dentro do mesmo movimento.

Esta aprovação ocorreu mesmo sob forte resistência dos sindicatos e da classe trabalhadora argentina, que promoveram manifestações massivas nos últimos dias e uma greve geral. A brutal repressão policial resultou em pelo menos 162 feridos, entre manifestantes e policiais.

Nos últimos dias vimos no Brasil uma falsa polêmica a respeito disto. Segundo a Revista Fórum e outros veículos, supostamente um dos gritos que estaria sendo dito pelos argentinos ao afirmarem que barrariam a reforma seria “isso aqui não é o Brasil” (leia aqui). A informação é questionada por muitos militantes que estiveram presentes aos atos. O fato é que, sendo verdadeira ou não, a informação se espalhou rapidamente pelas redes sociais brasileiras.

A repercussão não poderia ter sido pior. Boa parte da esquerda brasileira se lançou em uma catarse de autoflagelação cuja mensagem equivocada era que os argentinos sim sabem resistir, enquanto o povo brasileiro, como sempre, estaria passivo e inerte.

Esta visão depreciativa do povo brasileiro nada mais é do que o velho complexo de vira-latas, que sempre serviu às elites nacionais que se identificam muito mais com tudo o que não é brasileiro. Tentam apagar nossas lutas ao longo dos séculos, apresentam nossas vitórias como meras benesses gentilmente cedidas pelos governos ao mesmo tempo em que difamam as nossas mobilizações e organizações.

O objetivo é claro: oprimir subjetivamente a mentalidade popular, para que o brasileiro acredite que é realmente um povo inferior, incapaz de lutar, de se organizar, de se construir enquanto alternativa de poder e de sociedade. Atacam nossa cultura, nossa estética, nossas origens e nossa história. Melhor seria termos nascido em qualquer outro lugar, mas infelizmente fomos amaldiçoados ao nascer nestes tristes trópicos não é mesmo?

A esta mensagem devemos dar um sonoro NÃO! Lute como um argentino e lute como um brasileiro, como um uruguaio, como um boliviano, como um venezuelano e como um cubano! Lembremos de Palmares e da Greve Geral de 1917. Saudemos a história de Tupac Amaru, Zumbi, José de San Martín, Simón Bolívar, Che Guevara e Olga Benário. Com cada um dos nossos momentos e das nossas lideranças temos muito que aprender.

Neste ano também lutamos muito no Brasil. Iniciamos o ano com uma greve nacional da educação em março, fizemos a maior greve geral da história do Brasil em 28 de abril e uma grande marcha a Brasília em 24 de maio.

Saudemos a resistência argentina, nossos hermanos podem ter perdido esta batalha, assim como perdemos muitas por aqui também, mas tanto lá quanto cá a guerra continua. Este não é o primeiro e tampouco será o último capítulo da nossa luta.

A aprovação da reforma da previdência na Argentina é motivo de tristeza e preocupação para todos os povos do continente. Certamente o governo Temer, apoiado pela mídia, utilizará esta mudança para tentar dar novo fôlego à reforma da previdência do Brasil que até agora conseguimos impedir.

O capitalismo é global. A onda conservadora é mundial. As elites tem avançado sobre nossos direitos aumentando cada dia a exploração e opressão. Precisamos articular a resistência dos povos de todo o mundo também em nível global: ampliar o diálogo, aprender e fortalecer uns aos outros e valorizar o princípio do internacionalismo. Não venceremos se estivermos isolados. Nada mais atual que a mensagem do Manifesto Comunista:

Trabalhadores do mundo: uni-vos!

 

Yuri Soares

Professor de História

Diretor do Sinpro DF

Secretário de Políticas Sociais da CUT Brasília

Dirigente do PT Sobradinho

Related Articles

Post your comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Últimas atividades

Categorias

Diretório Regional do Partido dos Trabalhadores do DF

Diretório Regional do Partido dos Trabalhadores do DF

W3 Sul - CRS 505 Bloco A loja 28

61 3225-5103

contato@ptdf.org.br